Pesquisar neste blogue

A carregar...

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

TEOREMA DE PITÁGORAS


"Em qualquer triângulo rectângulo, o quadrado do comprimento da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos comprimentos dos catetos."

"Em qualquer triângulo rectângulo, a área do quadrado cujo lado é a hipotenusa é igual à soma das áreas dos quadrados cujos lados são os catetos."

c^2 = b^2 + a^2,





sábado, 7 de Junho de 2014

PAULO LEMINSKI

só porque hoje faz 25 anos que "o bandido que sabia latim" morreu.


Caricatura de J. Bosco - Belém do Pará

sexta-feira, 28 de Março de 2014

MH370

"O silêncio total deste voo é muito suspeito"

Por: Fernando Tavares
(Texto publicado no blogue Portugal Glorioso)






Em entrevista à Renascença, o piloto veterano Carlos Silva coloca várias questões sobre o que terá acontecido ao 777 da Malásia que se despenhou sobre o Índico. Porque deixaram de funcionar os equipamentos de aviso, por exemplo, sugerindo que não se tenha tratado de um acidente.
Ao fim de duas semanas de dúvidas e especulações sobre o que teria acontecido ao desaparecido Boeing 777 da Malaysia Airlines, as autoridades malaias confirmaram finalmente que o avião, que levava 239 pessoas a bordo, caiu no Oceano Índico durante o trajecto que ligava as capitais da Malásia e da China, Kuala Lumpur e Pequim.

O avião era igual ao que há mais de 15 anos é tripulado por um português, Carlos Silva, ex-comandante das linhas aéreas de Singapura e piloto no activo, com quem a Renascença falou sobre o corredor sul onde o Boeing 777 despareceu.

Carlos Silva, que conta com 11 mil horas de voo aos comandos de um avião igual, estranha que o “Transponder” - um dos principais equipamentos de comunicação da aeronave e colocado numa zona de muito difícil acesso - tenha sido desligado. Questiona ainda que tenham deixado de funcionar outros equipamentos de aviso, sugerindo que não se tenha tratado de um acidente.

Já voou naquela zona?

Sim, é um corredor que conhecemos. Sabemos que é bastante vazio por não ter nenhum aeroporto à volta que nos possa dar suporte, portanto sabemos que temos de voar em condições muito especiais nas quais o avião tem de estar apto a voar o mais longe possível do aeroporto. No máximo, a 180 minutos, no caso de falhar um motor. As comunicações básicas nesta zona são feitas sobretudo por satélite e, depois, por alta frequência.

Pode dizer-se que é uma zona onde não é possível arriscar absolutamente nada?

A zona onde o avião terá caído é uma em que poucas companhias aéreas voam. Tem pouca população aérea, tem poucas comunicações, portanto é bastante remota.

Tem alguma tese sobre o que poderá ter acontecido?

Quanto mais se fala, mais são as hipóteses do que pode ter acontecido. A primeira questão que colocamos é por que razão não houve um aviso de “mayday”, que é emitido quando o piloto tem uma avaria ou urgência e tem de o reportar a toda a gente que estiver a ouvir. A possibilidade de que o avião tenha dado uma volta bastante acentuada e que tenha baixado de altitude sugere que eles terão tido algum problema técnico - poderia ter sido despressurização, poderia ter sido um fogo, fumo a bordo ou algo semelhante - mas depois tudo se complica.
Por que razão foi desligado o sistema do “Acars”, que é um sistema de satélite que comunica com o avião constantemente? Não é fácil desligar este sistema. Pior ainda é ter sido desligado também o “Transponder”, o sistema básico de radar. Este sistema não tem propriamente uma função de desligado, tem uma função de “standby”, no qual pode ser “interrogado”. Não consigo perceber como foi possível ter sido desligado, a não ser que alguém tivesse tido acesso directo ao compartimento electrónico onde está o “Transponder”, que fica por trás do cockpit. Essa porta é uma espécie de alçapão, que está fechado, e que está por baixo de uma carpete. Para o abrir é preciso uma chave “Allen” especial.

Quem quer que esteja naquela zona a mexer nesse alçapão com certeza que dá logo nas vistas, quer às pessoas que estão na cabine da frente, quer à tripulação. O silêncio total deste voo é também muito suspeito. Ultimamente, fala-se muito em intenção humana, ou seja, em desvio do avião.

Ou seja, se o avião tivesse caído numa situação dita “normal”, possivelmente saber-se-ia qual o ponto mais ou menos exacto da queda?
Se o avião tivesse mantido as comunicações, haveria algum alerta nos radares de terra porque o avião iria mudar de altitude. Iria mudar de velocidade e de direcção em relação ao ponto em que ia voar. Isso sugere logo um alerta, porque, evidentemente, os sistemas de radar estão ali para permitir que cada avião voe segundo as restantes aeronaves. Quando um avião sai de uma rota e entra numa diagonal, cortando várias rotas que são bastante activas naquela zona, os alarmes vão soar - além de não ter havido um aviso do piloto. Por outro lado, se fosse um fogo, um fumo ou uma emergência repentina ou estrutural, seja o que for, o avião teria sido destruído de seguida. Uma explosão, danos parciais ou completos da fuselagem, pressupõe que tivesse caído em terra ou em mar. Pedaços do avião seriam vistos. Ainda mais à noite, quando uma explosão é perfeitamente visível

Realmente as interrogações são muitas e muito difíceis de explicar em outro artigo podemos ler:

Um "blip" e uma lei física ajudaram a descobrir o destino do voo MH370
Um fraco “blip” captado por um satélite a 36.000 quilómetros de distância da Terra e uma lei física do século XIX foram as chaves para concluir que o voo MH370 da Malaysia Airlines caiu num ponto remoto do Oceano Índico.
O primeiro-ministro malaio, Najib Razak, disse esta segunda-feira que não restavam dúvidas de que o Boeing 777, que desapareceu dia 8 de Março, despenhou-se no mar. Por trás desta certeza estão milhares de cálculos minuciosos feitos a partir de sinais que o avião continuou a emitir, apesar de ter todos os sistemas de comunicação desligados.

Eram simples “apertos de mão” — ou “pings” — entre o avião e um satélite da empresa Inmarsat, que presta serviços de comunicação via satélite para navios e aviões em praticamente qualquer zona do globo. São sinais com muito pouca informação. Mas dão alguns dados neste caso essenciais: identificam a aeronave, mostram que os sistemas eléctricos estão operacionais e determinam o ângulo de elevação do satélite em relação ao avião.

Foi com base nestes dados que se chegou à conclusão de que o avião continuou a voar por mais de cinco horas depois do último registo de contacto via radar. O voo tinha saído de Kuala Lumpur às 0h41, com destino a Pequim, foi identificado por um radar militar às 2h15 e o último “ping” com o satélite do Inmarsat ocorreu às 8h11. Pelo menos até aí, portanto, o avião estava no ar.
Este último “aperto de mão” forneceu dois arcos possíveis de onde o avião poderia estar naquele preciso momento. Um deles estendia-se Ásia adentro, quase até ao Cazaquistão, o outro seguia para baixo, para o Oceano Índico.

Os técnicos do Inmarsat analisaram então a alteração da frequência das ondas sonoras dos diferentes “pings” horários que o avião transmitiu desde o último contacto por radar.
“Observámos o efeito Doppler, que é a alteração na frequência devido ao movimento de um satélite na sua órbita”, explicou Chris McLaughlin, vice-presidente da Inmarsat, citado pelo jornal britânico The Telegraph. O efeito Doppler é o mesmo que faz o som de uma ambulância mudar à medida que se aproxima e depois se afasta de um observador.
Os dados do avião foram ainda comparados com os “apertos de mão” de outros Boeing 777 que tinham percorrido as mesmas áreas no passado. O resultado apontou o arco sul como sendo o caminho que o voo MH370 tomou.

Se tivesse continuado a voar, o avião teria enviado outro “ping” às 9h11 — o que não ocorreu. Seria impossível desligar o equipamento que o emitia. E entre as 8h11 e as 9h11, o combustível da aeronave teria necessariamente acabado. Daí a conclusão de que o aparelho de facto despenhou-se no mar, a mais de 2000 quilómetros de Perth, na costa oeste da Austrália.

Suspeitas
Serviços secretos chineses terão feito o desvio do avião, com tecnologia de ponta,baseada num  "drone"  previamente instalado no avião. Após terem "gaseado todos os passageiros e tripulação" ao fim de 40 minutos de voo, tomaram o comando do aparelho num simulador de voo, já preparado para o efeito colocando o  aparelho a baixa altitude rumo em linha recta para a mais remota zona do Indico, no sistema de piloto automático. 
Isto porquê? É que a bordo seguiam 20 especialistas dos EUA em chips e agregação de dados que vigiavam a China.  Repare-se que os EUA sempre se mantiverem muito silenciosos sobre esta matéria, tendo vindo a  colaborar na busca com aviões e navios mas sem manifestarem opiniões técnicas. Se existe país com sofisticação tecnológica de satélites, é sem dúvida os EUA, o que ainda torna mais denso o mistério, os americanos nada terem detectado! O avião acabou por se despenhar pela natural  falta de combustível

Coincidência? Talvez.


segunda-feira, 10 de Março de 2014

EDIÇÃO ESPECIAL DE FOTOGRAFIA


está disponível ao público uma edição limitada de 10 exemplares desta foto em dois formatos:Título:"Mulher curda com o filho pela mão" - Iraque, Abril de 2003
Autoria: Pedro Palma | Data: Abril de 2003 | Local: Iraque


150 X 100 cm em papel brilhante sobre K-Line 1cm - 1/10 exemplares numerados e assinados.
Preço por exemplar : 1.750€ (+IVA)


100 X 75 cm em papel brilhante sobre K-Line 1cm - 1/10 exemplares numerados e assinados.
Preço por exemplar : 1.250€ (+IVA)



Pagamento: Transferência Bancária / PayPal / Por cheque no acto da entrega.
Envio: Entrega por empresa Courrier (acresce 75€) ou a combinar.


Para reservas contactar directamente o autor: Telem. 916 554 060 - pedropalma.net@gmail.com



sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2014

WORLD PRESS PHOTO 2014

Esta foi a foto grande vencedora do certame deste ano.
Veja outras fotos premiadas no Site da TIME

John Stanmeyer—VII for National Geographic


domingo, 26 de Janeiro de 2014

HONGBO LI - O ESCULTOR DO PAPEL

Hongbo Li, um artista chinês de 38 anos. Ele criou estátuas de estilo clássico mas totalmente feitas de papel.

Cada estátua é composta de milhares de folhas de papel fino sobrepostas (forma missal) ... o que lhes permite "crescer". De repente, a estátua que se pensava feita de gesso "desdobra-se" e dá lugar a uma criatura incrível.


















sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

QUEM SE LEMBRA MIKLOS FEHÉR?

No próximo dia 25 completam-se 10 sobre a morte de Fehér.

Miklós "Miki" Fehér (Tatabánya, 20 de julho de 1979 — Guimarães, Portugal, 25 de janeiro de 2004),
morreu durante uma partida em que o Benfica defrontava o Vitória de Guimarães para a Liga, a 25 de Janeiro de 2004.





sábado, 11 de Janeiro de 2014

CIRCUNCISÃO - O QUE É E PARA QUE SERVE?

Carta de um jovem singapurense publicada no jornal The Real Singapure a propósito da circuncisão, uma prática muçulmana e judaica.


"Eu fui, como muitos outros homens muçulmanos na região do Sudeste Asiático, circuncidados quando se atinge a idade de 7 a 10 anos. Ainda me lembro da propaganda com que os meus pais bombardearam. Eles diziam-me que a circuncisão era uma acto normal da vida, e que todos passam por isso. Os meus colegas mais velhos e familiares diziam-me eu deixaria de ser criança quando fosse circuncidado, e a partir daí seria um homem. 
Na semana em que deveria ser circuncidado  -- durante as férias escolares, de modo a não interromper os meus estudos -- tivemos uma festa e os meus pais pediram na mesquita local para me dedicarem algumas orações. A minha circuncisão foi feita no hospital com anestesia e por isso não foi muito doloroso. Mas nas semanas seguintes foi horrível.
Eu não era capaz de andar correctamente e tinha dores constantes. Usei sarong (uma espécie de túnica), a fim de sarar mais facilmente, mas mesmo assim, algumas vezes o sarong roçava sobre a cabeça do meu pénis, colando-se-lhe. Depois que acordei de um repouso, foi extremamente doloroso quandotentei separar o sarong da glande do meu pénis. Eu não fui capaz de tomar banho vários dias, já que não queria molhar as ligaduras o que tornava a coisa extremamente desconfortável. Mas o pior de tudo era urinar pois era muito doloroso. Lembro-me que chorava sempre que eu tinha que ir urinar.
Mas depois de passadas semanas, a maioria das cicatrizes da cabeça do meu pénis sararam e agora sou oficialmente "um homem e um bom muçulmano". Mal sabia eu e os meus pais quão desnecessária era essa provação.
Eu não pensei muito nisso enquanto fui crescendo e prevalecia a ideia de que os muçulmanos faziam a circuncisão para limpeza "Cina itu kotor" e não queria ofender os meus amigos evitando o assunto por completo, mas agora, como adulto, eu começo a criticar algumas partes da minha religião e encontrei um monte de falhas na minha crença.

Mito 1: Eu acreditava que o prepúcio é simplesmente um retalho de pele que não serve qualquer propósito. Não era algo de importante o que eu iria perder.
Verdade 1: Houve muitos documentários sobre a circuncisão e todos eles mostraram que o prepúcio não é apenas um bocado extra de pele. O prepúcio tem muitas funções. Em primeiro lugar, ele está lá para proteger a cabeça do pénis (glande). Quando eu olho para o meu pénis circuncidado noto que a cabeça parece um pouco áspera em comparação com a cabeça lisa de um pénis não circuncidado. Isso ocorre porque a cabeça do pénis era um órgão interno e devido à ausência do prepúcio, a pele sobre a cabeça do pénis tem que endurecer, a fim de se proteger, tendo adquirido um aspecto diferente do que teria naturalmente.
Em segundo lugar, o prepúcio actua como lubrificante durante a relação sexual. As entrevistas com as mulheres que tiveram relações sexuais com homens circuncidados e não circuncidados disseram que era mais confortável fazê-lo com um homem não circuncidado. A circuncisão removeu o efeito de deslizamento do prepúcio e o pénis sentia-se mais áspero do que um pénis não circuncidado. Às vezes, é necessário efectuar a lubrificação adicional com saliva, a fim de evitar desconforto.
Em terceiro lugar, o prepúcio tem mais de 10.000 sensores nervosos extras, semelhantes aos das nossas pontas do dedo. Isso mostra que o prepúcio tem um grande papel na sensibilidade durante a relação sexual. Em suma, os homens com prepúcio  cientificamente sentiria mais prazer do que aqueles sem prepúcio. Então, na verdade, o prepúcio não é apenas uma aba extra de pele, mas desempenha um papel importante na anatomia do pénis e é algo que eu perdi.

Mito 2: Eu acreditava que a circuncisão era boa para a higiene. Sempre me disseram em criança que aqueles com pénis não circuncidado são sujos e que pénis circuncidado é muito mais limpo.
Verdade 2: Há alguma verdade nisso, mas não é realmente muita. O prepúcio tem alguma facilidade em ficar sujo com as células mortas da pele, urina e ejaculação podem ficar resíduos no prepúcio.
Houve uma altura da minha vida em que eu estava orgulhoso de ter um pénis circuncidado porque eu acreditava que eu era muito mais limpo do que aqueles que não eram circuncidados. Mas mais tarde, tenho aprendido com a vida que as mulheres também enfrentam o problema da Esmegma. E elas desenvolveram uma técnica de manter a higiene, sem recorrer à mutilação dos seus órgãos genitais. Essa técnica se chama água e sabão.
O pénis não circuncidado pode ficar sujo, mas o mesmo acontece com as suas mãos, os seus pés e o seu rabo. E isso resolve-se lavando-mo-nos. Durante o tempo do banho, o prepúcio pode ser revertido e lavado para manter a higiene. Assim, a ideia da circuncisão para manter a higiene agora soa como cortar as mãos para que não se sujem. E agora, há o estereótipo de que os muçulmanos e judeus circuncidados, o são porque eles são preguiçosos demais para manter a higiene adequada.

Mito 3: Eu acreditava que a circuncisão previne algumas doenças e que até pode mesmo prevenir o cancro do pénis. Eu acreditava que eu era mais saudável em comparação com aqueles que não eram  circuncidados.
Verdade 3: Olhando para trás (verdade 2) a saúde do pénis pode ser mantida pela higiene adequada para prevenir doenças como infecções das vias urinárias.  Além disso, patologias como doenças sexualmente transmissíveis (DST) e HIV não discriminam pessoas com prepúcio ou a falta dele. O prepúcio não atrai estas doenças, mas também não as evita. As pessoas contraem DST e HIV, principalmente devido ao sexo inseguro (não protegido) com parceiros infectados. Um homem circuncidado tem tantas possibilidades de contrair estas doenças como um homem não circuncidado se não usar preservativo.
É verdade que os homens não circuncidados têm uma maior chance de desenvolver cancro do pénis em relação aos homens circuncidados. A chance de um homem não circuncidado contrair cancro do pénis é de 1:200.000  Os homens circuncidados têm menos chance de contrair cancro de pénis, pois há menos células que se podem tornar mutantes. Mas 1:200.000 é uma possibilidade insignificante. Os homens são mais propensos a ter cancro da mama do que contrair o cancro do pénis. A circuncisão para prevenir o cancro do pénis faz tanto sentido quanto a remoção da mama para prevenir o cancro da mama.

Mito 4: Eu pensava que a circuncisão era obrigatória no Islão.
Verdade 4: Talvez um dos pontos mais fortes para apoiar a circuncisão era que Deus lhes disse para o fazerem. Os crentes que acreditavam na palavra de Deus não ousarão contestar isso e assim tantos muçulmanos passarão pela circuncisão simplesmente por causa da sua fé. Mas também isso  é uma mentira. Não há nada no Alcorão que exija a circuncisão. Absolutamente nada. Descobriu-se que a circuncisão não é uma exigência, mas uma uma prática islâmica tradicional. A circuncisão é uma tradição sunita e xiita, e não a própriamente fé. Na verdade, uma outra seita muçulmana chamada Quranist (Aqueles que apenas acreditam no Alcorão e rejeitam o hadith), que acredita que a circuncisão é um pecado. Quranist acredita na perfeição do corpo humano e qualquer alteração como tatuagens e circuncisão vai contra a vontade de Deus.
Partilho esta história para mostrar como tanta desinformação tenha afectado a decisão do meu pai para realizar um ato irreversível ao seu filho. Também os meus pais lamentaram a sua decisão depois que partilhei tudo o que aprendi e eu  perdoei os meus pais por me terem mutilado visto que o fizeram acreditando que era o melhor para mim.
Agora, que estou mais informado, acredito que continuar com esta tradição é tão bárbaro como a velha tradição de colocar ligaduras nos pés na China, para evitar que estes cresçam. A circuncisão não é algo a ser encorajado e muito menos de ser feito para uma criança. A criança não pode dar tal consentimento para alterar sua vida e os pais não devem ser autorizados a tomar esta decisão pelos seus filhos. A circuncisão é simplesmente uma mutilação genital que não serve para nada do ponto de vista clínico, higiénico ou tenha qualquer finalidade religiosa (talvez apenas nos judeus) e deve ser considerado como abuso infantil. A circuncisão só deve ser permitida numa criança, se há uma razão médica legítima para a fazer.
Entristece-me ver tantas crianças que são obrigadas a se submeter a essa tradição bárbara, e espero que este meu texto vá ajudar a melhor informar o público sobre esta tradição de violência gratuita.
Comigo, a circuncisão vai acabar. Eu prometi a mim próprio não circuncidar os meus futuros filhos e não interferir dessa forma violenta no seu destino. E espero que outros me sigam nesta forma de cortar com a tradição."
Um jovem muçulmano de Singapura

quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014

MÁRIO SOARES SOBRE EUSÉBIO

Mas morreu o Eusébio ou Deus?

O povo português tem este feitio... é mesquinho (sim, eu também sou português -- embora não goste) e arranja problemas onde os não há. O que foi que Soares disse de errado? Ele não enalteceu a figura de Eusébio? Há quem possa afirmar que o "Rei" era um homem culto?

Deviam ter ouvido o que foi dito por Soares e não o que não foi dito.

O que me entristece a mim e me indigna é mais coisas do género como a comparação de Eusébio a Nelson Mandela feita pelo padre Vítor Melícias... isso sim é uma idiotice profunda.







quinta-feira, 2 de Janeiro de 2014

50º ANIVERSÁRIO DO CALENDÁRIO PIRELLI

A edição de 2014 do Calendário Pirelli, tem fotos de Helmut Newton feitas em 1986 e inéditas. O calendário mais famoso do Mundo celebra assim 50 anos de publicação contínua, desde 1964.

Em Agosto de 2013, a Pirelli apresentou uma sessão comemorativa com alguns dos mais famosos modelos de moda:Alessandra Ambrosio, Miranda Kerr, Karolina Kurkova, Isabelli Fontana, Helena Christensen e Alek Wek, que foram escolhidos ​​numa antecipação do calendário, mas a opção para 2014 seria um arquivo inédito de Helmut Newton.















segunda-feira, 23 de Dezembro de 2013

PUBLICIDADE A RELÓGIOS

Neste caso a revista escolhida foi o número de Natal da Visão, mas é assim durante todo o ano...
a publicidade a relógios impera, e de que maneira. Neste número há 20 páginas de publicidade a relógios -- mais do que todas as outras juntas -- e 6 das quais são duplas.

Escapa-me a estratégia apesar de uma vez, há dois anos, o Fernando Correia de Oliveira do blogue Estação Cronográfica me ter explicado o porquê de tanta publicidade, mas já me esqueci.





segunda-feira, 16 de Dezembro de 2013

A PALHAÇADA DA SIC COM OS GATO FEDORENTO

Não acredito que Rodrigo Guedes de Carvalho não soubesse ao que ia. Não acredito que este vídeo onde Rodrigo "se lamenta" dizendo que foi "atraído a uma armadilha" seja genuíno... parecendo haver aqui uma "mentira apalhaçada" de Rodrigo Guedes de Carvalho e da própria SIC.

Não gostei como tudo isto foi tratado e muito menos do "programa" A Solução. Também fiquei indignado com esta insistência na mediocridade que tenta considerar os portugueses -- neste caso os espectadores da SIC -- como uma cambada de idiotas que "papa" tudo o que lhe impingem.

13-12-2013








Guedes de Carvalho criticado por entrevista aos Gato Fedorento


ANA FILIPE SILVEIRA
O pivô do 'Jornal da Noite' conduziu uma entrevista fictícia aos Gato Fedorento e levantou uma onde de críticas nas redes sociais. Estrela Serrano e Joaquim Vieira fizeram-se ouvir. A presidente do Centro de Investigação de Media e Jornalismo Estrela Serrano não ficou indiferente ao especial "A Solução", emitido pela SIC na noite de sexta-feira, no qual Rodrigo Guedes de Carvalho conversou com Ricardo Araújo Pereira, José Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis como se se tratasse de uma entrevista real.
"RGC [Rodrigo Guedes de Carvalho] brincou aos jornalistas entrevistando os humoristas como se a conversa fosse "a sério" (...). Se o contrato do jornalista é com a procura da verdade e com os factos, que sentido tem brincar com o seu papel e o seu estatuto? Quando RGC voltar a falar-nos como jornalista "a sério" na sua cadeira de pivô do "Jornal da Noite" haverá quem se pergunte qual o papel que nesse dia vai representar. A credibilidade é a fonte da legitimidade de um jornalista. Hipotecá-la assim parece leviano e sem sentido", escreveu a investigadora no seu blogue vaievem.wordpress.com.
Também Joaquim Vieira se manifestou sobre esse assunto: "É oficial: já não há distinção entre jornalismo e entretenimento", escreveu o Presidente do Observatório de Imprensa, na sua página do Facebook.

Jornal de Notícias




quinta-feira, 28 de Novembro de 2013

O IMPOSTO DA UTOPIA




O sistema fiscal está todo mal, o sistema de saúde também -- consequência do disparate fiscal -- e o mesmo acontece com as reformas. E a economia está mal também, consequentemente.
Claro que o(s) Governo(s) não pode(m) governar sem o pagamento de impostos. Mas devia (vamos resumir-nos ao nosso) parar uma hora para pensar nos custos -- e peso -- da máquina fiscal, que aliviada (muito consideravelmente aliviada) funcionaria muito melhor sem oprimir os cidadãos.

Um Imposto Único seria tudo o que o Governo precisaria para tudo funcionar mais facilmente. Esse imposto seria aplicado ao consumo, e unicamente ao consumo. Desapareceria a tributação sobre os rendimentos a abertura da economia seria apoiada pelo não pagamento de taxas alfandegárias -- importações e exportações.

A idade de reforma seria fixada nos 55 anos, mas facultativa e seria uniformizada -- todos os reformados ganhariam o mesmo, tendo o Estado uma despesa fixa com todos os cidadãos desde que tivessem nacionalidade portuguesa -- E como seria com os trabalhadores estrangeiros de longa duração? Seria que ao fim de 15 anos de estarem a trabalhar em Portugal poderiam optar pela nacionalidade portuguesa para beneficiar de uma reforma portuguesa, podendo sempre ficar vinculados ao Sistema de Segurança Social do seu país de origem.

Os ordenados teriam um limite, mínimo e máximo, e o regime da Função Pública seria igual ao das empresas privadas, não havendo assim tratamentos diferenciados de filhos e enteados.

Um imposto sobre o consumo seria altíssimo -- tendo em conta que não haveria qualquer outro acessório fiscal -- havendo no entanto uma gama de artigos de primeira necessidade tabelados por um "Imposto Especial" muito mais baixo e, claro, quem mais consumisse mais pagaria e quem menos consumisse mais pouparia, gerando riqueza individual . O emprego (não o desemprego) seria assegurado pelo Estado com trabalho comunitário remunerado pela base: ordenado mínimo.

Traçadas as linhas gerais vamos tentar enumerar, embora utopicamente, como avisado no título deste post:

1 - Ordenado Mínimo Nacional: 2.000€

2 - Ordenado Máximo Nacional: 5.000€

3 - Imposto Nacional Único: 50% do valor pago na caixa seria para o Estado -- Havendo uma lista de Bens Básicos taxados a 10% -- Todos os medicamentos vendidos em Farmácia seriam taxados a 0% passando as farmácias a comercializar apenas medicamentos de taxa zero, todos os outros produtos seriam vendidos em locais normais de comercialização, e todos os medicamentos (produtos) vendidos em farmácia seriam de prescrição médica obrigatória, passando todos os outros medicamentos (de venda livre) a ser disponibilizados em zonas próprias dos supermercados e outras lojas, podendo alguns deles estar incluídos no cabaz de bens de primeira necessidade, taxados a 10%.

4 - As reformas -- com um único valor: 1.500€ -- estariam disponíveis para todos aos 55 anos (quem ganhasse mais do que isso e tivesse condições físicas e (ou) intelectuais poderia continuar a trabalhar, sem limite de idade até que a entidade patronal decidisse em contrário.

5 - Os Impostos Municipais acabavam, ficando as autarquias com 25% dos 50% de taxação ao consumo. Os outros 75% (de 50%) seriam Geridos pelo Administração Central (Governo).

6 - A educação pública seria taxada como os bens de primeira necessidade (10%) enquanto a privada a 50% . Para a compra de manuais escolares seria obrigatório a apresentação do "Cartão Escolar".

7 - Alguns veículos familiares e comerciais seriam incluídos no cabaz de taxação mínima, mas sendo todo o combustível taxado a 50% -- Em caso algum, produtos poderiam ser taxados acima dos 50%.

8 - A lei da oferta e da procura seria muito bem controlada pelo Estado, não permitindo a especulação.

9 - As taxas e impostos alfandegários desapareciam (tanto nas importações como exportações), já que os bens importados seriam taxados a 50% na sua comercialização. A isenção aplicada às exportações não fazia sentido dado que esses bem não seriam comercializados em Portugal.

10 - O IMI desapareceria e o Saneamento Básico seria fornecido como qualquer outro bem essencial de taxação a 10%.

11 - Todo o património de herança reverteria em 50% para o Estado.

12 - Os serviços médicos seriam pagos (e taxados a 0%) para todos os cidadãos, da mesma forma.
Como exemplo: urgência médica nos hospitais 30€ com todos os exames de diagnóstico incluídos; Consulta médica nos Centros de Saúde (incluindo dentista) 20€; cirurgias (independentemente da complexidade) 250€.
Os seguros de saúde e clínicas privadas seriam taxados a 50%.


A mim, parece-me que este sistema funcionaria, embora reconheça, que é utópico.

PP







domingo, 10 de Novembro de 2013

ÁLVARO CUNHAL - 100 ANOS

Caricatura desenhada em 1992 para o Jornal de notícias e publicada em diversos outros jornais e revistas







terça-feira, 29 de Outubro de 2013

"O OLHO DO CU" NUNCA ESTEVE EM SERRALVES

Há imensos Blogues e Sites -- nacionais e até estrangeiros -- em que é referido que uma exposição de fotografia intitulada "O Olho Do Cu" teria sido exibida em Serralves circa 2008. A Fundação de Serralves (Casa de Serralves) já desmentiu o facto várias vezes: "tal exposição nunca existiu"... pelo menos em Serralves.
O autor deste blogue já tentou -- em vão -- por diversas vezes identificar o local e o autor das fotos da exposição que é mostrada nas imagens.

É lamentável que a Internet seja utilizada para propagar desinformação... que não beneficia ninguém. É prudentemente aconselhável que quando se faça "humor" se refira que se trata de "humor".










terça-feira, 17 de Setembro de 2013

"Broken Random" do meu filho Ayaz

Finalmente pronto, o "Broken Random" rodado em 2012 em NYC e terminada a edição em Portugal (Set. 2013), ainda recebeu uns "retoques" em Los Angeles.


Broken Random © Ayaz Palma, 2013






sábado, 24 de Agosto de 2013

PINTO BALSEMÃO - A COCAÍNA E A TRAIÇÃO DA EX-MULHER COM CARLOS CRUZ

Texto integral publicado no Blogue Notícias Sem Censura -

Sábado, 4 de Maio de 2013





O relatório apreendido pelas autoridades ao “ex-espião” Jorge Silva Carvalho contém pormenores sórdidos sobre o patrão da SIC.

 “1970 – 1ª mulher inicia relação com Carlos Cruz.” Este é o título de mais um capítulo do relatório apreendido pelas autoridades ao ex-responsável do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa, Jorge Silva Carvalho, no âmbito do processo das secretas, cuja acusação foi deduzida, e onde são feitas considerações sórdidas sobre a vida privada do patrão da SIC.

“A 1ª mulher, Maria Isabel Silva (Belixa) Lacerda Rebelo Pinto da Costa Lobo inicia uma relação com o apresentador Carlos Cruz (não é claro se a mesma tinha começado antes ou depois de Belixa se separar de Balsemão). De assinalar que, durante o depoimento do processo Casa Pia sobre esse período, Carlos Cruz tem o cuidado de nunca referir nem o nome de Maria Isabel, nem de Balsemão, nem dos filhos de ambos. A relação entre Balsemão e Cruz não era a melhor, dada a vontade deste em levar a Mónica e Henrique para Nova Iorque, ideia a que Balsemão se opôs”, escreveu o espião Paulo Félix, a quem Jorge Silva Carvalho ordenou que fizesse o relatório.

Segue-se uma nota feita pelo próprio Paulo Félix, a que ele denominou “coincidências”: “Circula na internet uma mensagem com o título ‘coincidências’. Refere que a SIC foi a única estação que esteve no Parlamento quando o juiz Rui Teixeira ali entregou o pedido de levantamento de imunidade a Paulo Pedroso. Refere depois uma série de relações pessoais ou profissionais de pessoas da SIC: Daniel Cruzeiro, chefe de redacção, é filho do advogado de Paulo Pedroso e é casado com Rita Ferro Rodrigues, também ela da SIC e filha do secretário-geral do PS; Sofia Pinto Coelho, jornalista, é casada com Ricardo Sá Fernandes, da defesa de Carlos Cruz; Ricardo Costa, editor de política, é irmão de António Costa, dirigente do PS. A que se somam estes factos: Cruz era apresentador da SIC até à eclosão do caso Casa Pia; Marta Cruz, filha do apresentador, era presença constante num programa da SIC; Herman José, arguido no mesmo caso, era apresentador de um programa da SIC.”

E o espião cita outras fontes para continuar com as “coincidências”: O dono da SIC, onde Carlos Cruz trabalhava é Pinto Balsemão; o dono do semanário Expresso, que denunciou o caso, é Pinto Balsemão. O primeiro-ministro em 1982, altura em que a secretária de Estado da Família, Teresa Costa Macedo, teve acesso ao relatório da Casa Pia com o nome de Carlos Cruz, era Pinto Balsemão. Balsemão é amigo e visita da Casa Redonda de André Gonçalves Pereira, que era o ministro dos Negócios Estrangeiros naquele mesmo ano de 1982 em que foram descobertas crianças na casa do embaixador Jorge Ritto. André Pereira é sócio de Balsemão.”

Outro episódio referido no relatório “secreto” prende-se com o nascimento de um filho de Isabel Supico Pinto, de nome Francisco Maria: “A criança só foi reconhecida pelo pai (Balsemão) após ordem do tribunal”, lê-se no documento elaborado por Paulo Félix, que relata depois a criação, em 1973, do semanário Expresso, e as perseguições da PIDE a Balsemão e ao falecido Sá Carneiro. “Balsemão usou o Expresso para defender as suas ideias políticas, usando uma perspectiva puramente instrumental e utilitária de um órgão de Comunicação Social.”

O relatório analisa ainda a suposta má relação de Balsemão com Vasco Pulido Valente, que apelidou o patrão da SIC como “Francisquinho, o medíocre mensageiro”, passa pela fundação do PSD, pela admiração de Balsemão por Mao Tse-Tung e pela visão pessimista da entrada de Portugal na então Comunidade Económica Europeia (CEE). É igualmente abordada uma possível ligação de Balsemão e de jornalistas do Expresso à KGB, a secreta da ex-URSS, em 1980 e a sua nomeação para primeiro-ministro.


A TV da Igreja


Uma parte extensa do relatório elaborado para Jorge Silva Carvalho prende-se com a promessa de Pinto Balsemão, em Janeiro de 1982, de uma televisão para a Igreja: “Quando foi primeiro-ministro, Francisco Pinto Balsemão prometeu um canal de televisão à Igreja, mas mudou de ideias quando regressou ao seu grupo de comunicação, admitindo apenas a concessão do canal 2 da RTP, uma vez que tinha então interesse na criação do seu próprio canal. Actualmente, o presidente da Impresa está contra a criação de mais TV’s, por temer os efeitos de mais concorrentes em sinal aberto.” Pinto Balsemão, assegura o relatório, terá mesmo impedido que Cavaco Silva cumprisse a promessa que ele próprio terá feito à Igreja.

“Já em 2009 Pinto Balsemão afirmou, perante deputados na Assembleia da República, ter fortes dúvidas sobre a existência de mercado publicitário para todos os canais em sinal aberto. Hoje, é um dos maiores opositores à privatização da RTP, que vê como séria ameaça à sobrevivência da SIC, mergulhada em dificuldades financeiras”, acrescenta o relatório agora na posse das autoridades.

A espionagem feita a Balsemão fala igualmente da sua desavença com Marcelo Rebelo de Sousa, tudo porque o professor terá tratado Balsemão por Francisco e este exigido a Marcelo que o chamasse primeiro-ministro. Apesar disso, lê-se no documento, Balsemão entregou o Expresso a Marcelo e este acabou por se revelar um crítico feroz do Governo. “Talvez para afastar Marcelo do Expresso, talvez por querer aproveitar o seu talento nas negociações parlamentares, talvez pelas duas coisas, Balsemão chamou-o ao Governo. Não demorou a arrepender-se. Na semana das autárquicas de 1982, decisivas para o futuro do moribundo Governo, Marcelo comunicou ao seu amigo Francisco que iria demitir-se do Governo. O primeiro-ministro não gostou de ver o seu protegido abandonar o barco que se estava a afundar, mas este prometeu manter a boca fechada. Dois dias depois a notícia estava escarrapachada na capa do DN. Balsemão chamou-o logo a S. Bento e deu-lhe um violento raspanete.”

Grupo Bildeberg


O grupo de Bildeberg é outro assunto tratado no relatório de espionagem ao dono da Impresa: “Balsemão tem-se revelado, ao longo dos anos, como um agente de influência, sabe-se lá ao serviço de quê e controlado por quem. A sua participação em encontros de Bildeberg é disso exemplo. Trata-se de uma organização nada transparente e que, por isso mesmo, muitos rumores e teorias da conspiração tem suscitado, mas que, independentemente dos objectivos específicos, é um concentrado de gente com claras ambições de controlo de tudo o que de importante se passa no globo, sem que se conheçam as suas motivações, nem objevctivos, sabendo-se apenas que são os seus objectivos particulares que os movem. Aos encontros de Bildeberg, Balsemão, que funciona como porteiro português do grupo, tem levado inúmeras personalidades portuguesas. Ele escolhe o convidados do grupo desde 1988.”

O diferendo com Emídio Rangel é igualmente abordado no relatório, ficando a saber-se que Balsemão considerava o então director da estação de Carnaxide “um gastador”. As críticas a Rangel terão motivado uma cisão na SIC, que culminou com o afastamento do director.


O consumo de cocaína


Às referências pouco abonatórias no relatório mandado elaborar por Jorge Silva Carvalho sobre Pinto Balsemão surgem ainda referências sobre os hábitos do empresário. Uma delas prende-se com o alegado consumo de cocaína: “É pública a história de que, depois de um voo de 12 horas, vindo de Macau, Balsemão foi jogar golfe. Em 2001, ao Expresso, justificou a proeza com a sua resistência física. Resistência que ainda hoje é provada pelas horas que passa a trabalhar. Facto atribuível, segundo fontes bem informadas, a uma operação de Relações Públicas. Outras fontes ligam esta resistência física ao consumo de cocaína.”

E o relatório vai mesmo mais longe: “Associado ao caso Casa Pia surgem rumores do consumo por Balsemão de cocaína.” E Paulo Félix cita um documento do GOVD – Grupo Operacional de Vigilância Democrática: “As testemunhas são falsas, mentirosas, treinadas e pagas com o dinheiro da droga, as duas moedas que também pagam Felícia Cabrita. Ela é, como é público, alcoólica e cocainómana em adiantado estado de dependência. Daí as suas intimidades com Pinto Balsemão de quem também é fornecedora”.

Outra nota da espionagem vai para um alegado negócio de gestão danosa de Balsemão e que teve alegadamente a ver, em 2009, com o facto da Impresa ter perdido 5,8 milhões de euros com a alienação da Iplay por um euro: “Este é um negócio que configura, no mínimo, uma situação de gestão danosa por parte de Balsemão. 5,8 milhões de euros foi quanto custou à Impresa a alienação da editora discográfica Iplay (…). O valor resultou de perdas de imparidade de 1,7 milhões e prejuízos de exercício de 4,1 milhões, montante que foi registado em actividades descontinuadas nas contas referentes a 31 de Dezembro de 2008 da Impresa”. A Iplay acabou por ser alienada à Fantasy Land e à Lemon por um euro. A empresa tem, segundo o espião, uma situação positiva, conforme revelaram os novos donos.

O relatório elaborado por ordem de Jorge Silva Carvalho termina com um perfil de Belmiro Azevedo, onde se descrevem todos os cargos por ele ocupados ao longo da vida, os seus dados pessoais, as suas raízes beirãs, as suas características pessoais, onde se inclui o gosto pelo golfe e por tocar bateria. E destaca-se uma frase do próprio Pinto Balsemão: “Se obtive êxito como empresário, foi pelo facto de me sentir acima de tudo jornalista.”

Carlos Tomás

quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

OS FOTÓGRAFOS COM AS SUAS FOTOS



Barbara Bordnick




David Doubilet



Douglas Kirkland



Elliott Erwitt



Herman Leonard



Jeff Widener



Jim Marshall



Julius Shulman



Karen Kuehn



Mary Ellen Mark



Carl Fischer